Os pés de Gilda

Gilda trabalhava de voluntária na igreja de São Cristóvão, na Fonte Santa (Teresópolis). Em nossa experiência-piloto, tinha sido tratada de dores nos ombros e mal-estar “psicológico” (era ainda a primeira semana da tragédia). Tais dores tinham cessado durante o primeiro tratamento e não tinham mais voltado. Desta vez, Gilda me apresentou uma outra queixa, de dores nos pés “queimando feito um fogo”, constantes: “meu pé dói vinte e quatro horas [por dia], tadinho”. Continuar lendo

Anúncios
Publicado em Estudos de Casos | Deixe um comentário

Cremilda (voluntária na igreja de São Cristóvão)

Cremilda trabalhava na cozinha do abrigo temporário na igreja de São Cristóvão (Fonte Santa – Teresópolis), carregando panelas pesadas para lá e para cá. Eu tratei dela na nossa segunda intervenção, no domingo treze de fevereiro.

No regime de ambulatório em que estava trabalhando, ela foi atendida juntamente com um outro paciente, que realmente precisava da maca. Fiz a primeira parte da entrevista com Cremilda, pedi que se sentasse uns instantes enquanto conversava com o outro paciente. Terminada essa conversa, voltei a Cremilda enquanto o outro se aprontava, tirava o sapato e se deitava. Foi essencialmente esse o tempo de tratamento, usando unicamente o qiliao (waiqi liaofa). Continuar lendo

Publicado em Estudos de Casos | Deixe um comentário

Juliana (voluntária na Brigada Saint-Germain)

Juliana chamava a atenção na Brigada Saint-Germain pela atividade incansável. Enquanto estive lá, não a vi parada nem um segundo. Naturalmente, isso tem um preço e no caso dela foram dores nas costas e na perna. Ela chegara à Brigada na sexta seguinte à catástrofe (que foi na madrugada de terça 11/01) e foi atendida depois de 8 dias de trabalho.

Juliana, voluntária na Brigada Saint-Germain

Depois do tratamento é outra coisa!

Continuar lendo

Publicado em Estudos de Casos | Deixe um comentário

Estudos de casos: Seu Hélio

Depois da prévia com Ingrid Michelle, nosso primeiro vídeo (e depois de muito apanhar de editores de vídeo também) começo hoje a relatar como foram os atendimentos em nossas intervenções na serra. Esses relatos não estão em ordem cronológica.

Este é um relato de nossa segunda intervenção, dias 27, 28 e 29 de janeiro. Seu Hélio, um dos voluntários trabalhando como cozinheiro na igreja de São Cristóvão, na Fonte Santa, em Teresópolis, apresentou-se ao ambulatório com uma queixa de dores nas costas intensas, constantes e que o impediam de curvar-se para a frente e de girar o tronco. As dores atingiam a coluna desde a lombar até a região interescapular e haviam começado fazia cerca de nove meses.

O tratamento se estruturou em torno da proposta de Nagano: agulhas em shang taibai BP 3,5 e yinlingquan BP9. Além disso, foi feito bastante qiliao sobre as agulhas. A sessão foi “longa” para o ambulatório, cerca de 30 minutos. O resultado final pode ser constatado no vídeo.

Publicado em Estudos de Casos | Deixe um comentário

Doação EBRAMEC!

A EBRAMEC muito gentilmente nos doou 1.000 agulhas! Chegaram em fevereiro e já estão sendo usadas nas nossas intervenções. Nosso “muito agradecido!” ao Régis e ao pessoal de São Paulo que está nos acompanhando.

Doação EBRAMEC para a Brigada Serrana de Acupuntura

Uma doação generosa!

Publicado em Acupuntura e solidariedade | Deixe um comentário

Matéria no Blog do SINDACTA

Saiu a matéria do Arnaldo Carvalho sobre a BSA!
Agradecemos o interesse dele e seu empenho em fazer nossos colegas e leitores em geral (a matéria também está linkada para o seu blog, o Portal Verde) ficarem sabendo do trabalho. Valeu, Arnaldo!

Publicado em Acupuntura: região serrana | Deixe um comentário

Álbum de fotos da terceira intervenção

Eis nosso novo álbum de fotos, da terceira ida à Teresópolis, onde a Brigada Serrana de Acupuntura teve uma visitante: a acupunturista Sônia, de Itaipava, ficou sabendo pelo CRAERJ da nossa iniciativa e se dispôs a participar. Que bom! Ela esteve conosco durante o dia todo de domingo e acompanhou os tratamentos que tiveram seus princípios claramente (espero!) explicados; ela pôde observar o qiliao em ação e senti-lo na própria mão como a habitual sensação de “formigamento” e “algo puxando” e viu para crer a melhora de 100% de três pacientes (as irmãs Mariana e Carla, com dores lombares, e Ingrid Michelle, com dores nos pulsos) em tratamentos de cerca de 10 minutos cada.

As fotos têm legendas detalhadas em português e inglês. Um agradecimento especial à Marla e ao Moacir, que me apoiaram com carro, batendo fotos, pegando água para mim (quando trato, esqueço de tudo…), dando sugestões valiosas etc.

https://www.flickr.com/photos/guangmingdeng/albums/72157626113208772

 

 

Publicado em Acupuntura: região serrana | 1 Comentário